segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Para as mães de primeira viagem, e para as outras também

as pessoas esperam que as mães sejam felizes, por isso ficam horrorizados quando se deparam com uma mãe deprimida, sem paciência com o bebê e com o marido. Ontem viajei ao lado de uma grávida linda e viemos conversando sobre gestação, amamentação e participação dos pais. Ela está serena, no sétimo mês e curiosa para saber como vai ser. O marido dela faz questão de ir em todas as consultas e exames e sonha em ser um pai de ouro.Se isso acontecer, o pequeno Miguel será muito feliz e o pai mais ainda.

Minha nova amiga me contou que acabou de fazer um book e eu lamentei por não ter feito o meu: nem sempre temos mais de uma chance para registrar esse período de espera do filho amado. Meu marido tem atuado como fotógrafo e eu adoro quando suas clientes são gestantes: elas ficam tão lindas!

Procurei encorajar minha amiga e prepará-la para as dificuldades da amamentação, dando três boas razões para superar o medo: a praticidade, a resistência às doenças e a construção do vínculo afetivo. Depois passei algumas dicas de como superar as primeiras semanas e resolvi partilhar isso aqui no blog mais uma vez. Nunca me canso! 



As grávidas devem relaxar sim, mas é bom que elas se preparem para os filhotes famintos que ganharão. Quando eu estava grávida, não entendia a dica do uso da bucha vegetal nos mamilos e usava-a com suavidade, mas a idéia da bucha é dar uma dura naquele tecido sensível e torná-lo mais resistente. Massagens com toalhas duras, banhos de sol e outras manogras de fortalecimento podem ser úteis. Gestantes: não tenham pena dos mamilos: seus filhotes não terão!

Embora minha amiga esteja com o parto agendado, deixei claro que considero a cesária inimiga da amamentação. Ela pode parecer mais fácil e menos dolorida, mas além de mais invasivo e arriscado, esse procedimento adianta o parto, mas não acelera a liberação do leite. Resultado: quando a criança nasce, o peito está cheio, mas o leite não sai. O bebê aprende a mamar com voracidade e cada mamada é uma tortura que provavelmente não preocupa os médicos cesaristas, mais interessados em suas agendas que no bem estar da futura mãe.

Especialistas afirmam que o bebê deve mamar em livre demanda, aliás eles dizem muitas coisas que na prática é complicado. Por exemplo, alguns desaconselham o uso da chupeta, quando ela tranquiliza os bebês e, consequentemente, as mães. Sem contar com a chupeta e tendo que ficar o dia todo na função de amamentar a qualquer hora, muitas mulheres se sentem escravas do bebê e esse sentimento é difícil de administrar. Eu optei por oferecer a chupeta e retirar o leite e congelá-lo adequadamente e pude ficar um pouco mais livre, mas tive o privilégio de contar com a ajuda de alguém para descongelar e oferecer esse leite em algumas ocasiões.

Se todas as mulheres, antes de engravidar, fossem orientadas e traçassem um plano de superação com seus companheiros e com a família, certamente teríamos menos depressão pós parto. Poder contar com um companheiro para levantar à noite quando o bebê chora, para trocar fraldas e tudo mais, sem que a mulher se sinta culpada por ele trabalhar no dia seguinte, é tudo de bom. O esforço desse pai construirá diariamente a relação pai e filho ou filha. No futuro os dois terão segurança plena para inclusive viajar juntos sozinhos e a mãe ficará tranquila porque ele saberá cuidar do filhote com competência e carinho. Não fomos educados para agir assim, por isso as mulheres ficam com receio de permitir que os pais carreguem o bebê, cuidem do banho... Podem acreditar mamães: se o banho não ficar tão bom como o que você daria, o bebê não vai morrer por causa disso e se você não reclamar tanto, seu companheiro ficará mais seguro e participativo. E se você não for tão afobada e esperar que o pai tome iniciativas, evitará que no futuro ele seja omisso.  Se, contudo, o pai não for de iniciativa, não hesite em solicitar a participação dele. Só assim seus filhos terão um pai fofo, presente e apaixonado.

Atendendo a pedidos, segue o monólogo "Amamentar não é tão simples"

2 comentários:

Sabrina disse...

Oi Sil, tô daqui só pegando suas dicas p/ quando eu for mamãe também. Fico muito ansiosa pensando em como será minha gravidez, como será noss bbzinho.

Com certeza faremos book, acho lindo!

Só tô meio em dúvida sobre a cesariana pq minha cunhada queria parto normal e a filhinha dela estava com o cordão umbilical enrolado no pescoço e quase morrem as duas. Então tiveram que fazer cesariana. Acho que a cesariana pode ser mais segura. Mas eu também não sabia sobre essa história do leite que demora a sair.

Bjinhus

maria disse...

Muito legal a materia e o vidio tambem, vc e uma profissional...
So nao gostei do copo parecendo ser de refrigerante em meio de frutas tao saudaveis...
Beijos
Saozinha